Região

Há vestígios de duas glaciações na Serra da Estrela

9
Escrito por Jornal O INTERIOR

Investigação liderada por Gonçalo Vieira, publicada recentemente reforça «importância internacional» do Estrela Geopark

Um estudo científico publicado na revista “Geomorphology” revela que a Serra da Estrela tem vestígios de duas glaciações, o que reforça «a importância internacional do Estrela Geopark».
A descoberta foi divulgada pela Associação Geopark Estrela, que refere, em comunicado enviado a O INTERIOR, que as investigações, lideradas pelo coordenador científico do Estrela Geopark Mundial da UNESCO e professor no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) da Universidade de Lisboa, Gonçalo Vieira, que foram publicadas esta semana naquela revista científica, trazem «novas informações» sobre as glaciações da Serra da Estrela. «Os recentes estudos realizados na Serra da Estrela, nomeadamente na área da Lagoa Seca, um dos principais geossítios do Estrela Geopark Mundial da UNESCO, localizado na cabeceira do vale de Beijames e próximo do vale do Zêzere, conferem um contributo significativo para a compreensão, não só da última, mas também de glaciações anteriores», adianta o Geopark Estrela.
A investigação foi feita com recurso «a datações que permitem datar o tempo de exposição à superfície das rochas, analisando isótopos cosmogénicos». Graças a essa técnica, foi possível datar «com precisão o momento em que as rochas erodidas ou transportadas pelos glaciares foram depositadas e expostas à atmosfera», lê-se ainda. A associação Geopark Estrela acrescenta que «foram estudadas seis amostras, quatro de blocos morénicos (blocos transportados pelo gelo glaciário) e duas de superfícies de rocha polidas pelos glaciares” e que “as idades obtidas são muito consistentes e confirmam as interpretações baseadas na geomorfologia».
A última glaciação «teve na [Serra da] Estrela o máximo de extensão dos glaciares há cerca de 30 mil anos, altura em que o planalto apresentava um campo de gelo com uma espessura de 90 metros que fluía por ação da gravidade para os várias vales glaciários que se desenvolvem ao seu redor, originando um campo de gelo com uma área aproximada de 66 quilómetros quadrados», explica o Geopark Estrela.
«Os recentes estudos permitiram datar depósitos da penúltima glaciação, que na [Serra da] Estrela teve o seu máximo há cerca de 140 mil anos, data em que os glaciares seriam um pouco mais extensos do que na glaciação subsequente», revela a associação, segundo a qual, tendo em conta este trabalho científico, o desaparecimento dos glaciares da Serra da Estrela «parece fixar-se próximo dos 14 mil anos, embora estes resultados sejam ainda pouco conclusivos». Para o Geopark Estrela, que tem sede no Instituto Politécnico da Guarda (IPG), os resultados agora apresentados «vêm ajudar a compreender a dinâmica glaciária do sudoeste europeu, conferindo um contributo importante para o conhecimento das glaciações, pois é a primeira vez que se datam depósitos glaciários da penúltima glaciação na Cordilheira Central Ibérica».
E lembra que estão em curso novas campanhas, orientadas por Gonçalo Vieira, envolvendo o IGOT – Universidade de Lisboa e a Universidade de Zurique, bem como o Estrela Geopark Mundial da UNESCO. «O objetivo é conhecer ainda melhor a glaciação da Serra da Estrela e a sua dinâmica, estando uma campanha de amostragem prevista para o próximo mês de junho», conclui a associação.

Sobre o autor

Jornal O INTERIOR

Leave a Reply

Financiamento