Região

«Há muitos prejuízos nas vinhas», alerta Comissão Vitivinícola da Beira Interior

Escrito por Jornal O Interior

A trovoada o granizo que caíram no fim de semana na região causou «muitos prejuízos» no setor da vinha, admitiu a Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior (CVRBI). «É ainda cedo para se ter uma avaliação mais real dos prejuízos, no entanto o granizo, sobretudo no Fundão e na Covilhã, e o vento extremamente forte em Belmonte foram os mais prejudiciais», disse a O INTERIOR Rodolfo Queiroz.
O presidente da CVRBI acrescentou que mais a Norte, em Pinhel, Figueira de Castelo Rodrigo, Almeida e Vila Franca das Naves (Trancoso), já no distrito da Guarda, também «alguns estragos de granizo, mas mais localizados». Para já, o responsável não quer ainda falar em campanha comprometida: «Ainda é muito cedo para ter uma opinião com grande grau de certeza. A produção da Beira Interior como um todo não está comprometida, no entanto alguns produtores privados poderão ter uma maior quebra de produção», estima Rodolfo Queiroz. O presidente da CVRBI acredita também que esta tempestade não vá precipitar a falência de produtores na região. «Este ano está a ser particularmente difícil. Primeiro foi a pandemia da Covid-19, agora o granizo, a trovoada e os ventos fortes, mas espero francamente que nenhum feche portas, terão é prejuízos avultados», sublinhou.
«A Adega do Fundão tem um seguro coletivo de colheitas que muitos dos seus associados subscreveram e desta forma poderão mitigar os prejuízos. Outros associados privados também têm seguro de colheitas que poderão ajudar a minimizar estes problemas», refere Rodolfo Queiroz. «Acredito na resiliência das gentes e dos produtores da Beira Interior. A CVRBI tudo fará, dentro das suas competências e possibilidades, para os ajudar, mas para também é preciso que os consumidores, a restauração e a hotelaria da região consumam mais vinhos da nossa região», apela o dirigente. Inicialmente, as previsões da Comissão Vitivinícola para este ano apontavam para uma produção «particamente semelhante à do ano anterior, seria um ano absolutamente normal».
Sedeada na Guarda, a CVRBI abrange as zonas vitivinícolas de Castelo Rodrigo, Pinhel e Cova da Beira, nos distritos de Guarda e de Castelo Branco. Conta com mais de 60 associados, dos quais quatro adegas cooperativas, e cerca de 16 mil hectares de vinhas, onde predominam as castas brancas Síria, Arinto e Fonte Cal e as tintas Tinta Roriz, Rufete, Touriga Nacional, Trincadeira e Jaen.

Sobre o autor

Jornal O Interior

Deixar uma resposta