Região

Câmara do Sabugal aprova apoios para famílias, IPSS e empresas e cria Fundo de Emergência com 100 mil euros

Escrito por Luís Martins

A Câmara do Sabugal aprovou medidas para apoiar as famílias, IPSS e empresas do concelho por causa da crise pandémica da Covid-19, tendo criado inclusivamente um Fundo de Emergência de 100 mil euros.

O programa “Covid-19: Sabugal Solidário” foi aprovado na segunda-feira, numa reunião extraordinária do executivo, e para as famílias, entre outras medidas, contempla a flexibilização dos prazos de pagamento de água, saneamento e resíduos, podendo as faturas ser pagas, sem juros, até final do ano. A criação de uma Rede Solidária de Voluntariado, a suspensão imediata de cortes de fornecimento de água e saneamento e a atribuição de apoio suplementar às famílias cujo rendimento seja afetado são outras propostas.

No caso das IPSS o município raiano decidiu atribuir um apoio económico direto para as instituições fazerem «face às necessidades extraordinárias e não previstas de proteção de pessoas e instalações, de cumprimento dos planos de contingência e de implementação de modelos de funcionamento». Estas entidades beneficiarão ainda da gratuitidade da água e saneamento durante os meses de abril, maio e junho. 

O executivo deliberou também apoiar na aquisição de equipamento de proteção individual e, após o surgimento de um caso positivo de contaminação, disponibilidade para a autarquia fazer testes a todos os utentes e profissionais da instituição, caso solicitado pela Delegação Distrital de Saúde. A Câmara determinou igualmente o pagamento de um apoio extraordinário de 10 mil euros a cada uma das duas corporações de bombeiros (Sabugal e Soito).

Já as empresas, comércio e serviços que estão «encerrados ou em serviços mínimos» terão direito à isenção do pagamento das faturas de água e saneamento, a requerimento dos interessados, nos meses de abril, maio e junho. A Câmara também decidiu suspender a cobrança das taxas relativas à ocupação de espaço público, incluindo esplanadas, e publicidade a todos os estabelecimentos comerciais e a isenção ou redução das taxas de venda ambulante.

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta