2022

Escrito por Albino Bárbara

“2022 pode se o ano da tal viragem. Da aposta da pretensa estabilidade política para os próximos quatro anos.”

Com cinco dias apenas e 2022 a revelar-se um ano de compromisso sob o signo de Capricórnio onde irá juntar-se o ano do Tigre, adicionando assim a energia, sabedoria e uma comunicação aberta e transparente a fim de existir um diálogo sustentável. Quem o diz são os entendidos na matéria.
Pois bem, pela parte que nos diz respeito, temos de ter em conta uma série de fatores em que a revisão de prioridades, a quebra de barreiras estereotipadas nos obriga à tolerância necessária para pensar o infinito e, quiçá, ir mais além.
E se o bichinho continua a fazer estragos e teima em não nos deixar, olhemos para este nosso mundo, para o planeta (que me desculpe o principezinho, mas só temos este), para verificarmos o aquecimento global, o degelo nos polos, as águas dos oceanos a subirem, os mares envenenados, os rios poluídos e sujos, Invernos cada vez mais curtos, precipitação descontrolada, vulcanismo que basta, níveis de dióxido de carbono alarmantes, utilização do carvão e de todos os outros combustíveis fósseis, etc., etc., etc… Guterres alertou: existem dois caminhos. O primeiro é rendermo-nos à evidência. O outro é apostar em soluções sustentáveis e na energia limpa. E pasme-se… É possível. Sim, é possível.
2022 pode muito bem trazer-nos algumas mudanças. Agora vamos sonhar:
Imaginemos um salário mínimo na ordem de 2.000 euros, um salário médio de 3.000 euros e salário máximo de 5.000 euros. Uma reforma mínima e uma reforma máxima, onde o leque não fosse nunca superior a 2.000 euros. Um sério apoio à maternidade, paternidade e terceira idade. O Serviço Nacional de Saúde equitativo, universal e completamente gratuito, tal qual o processo educativo. Um índice mínimo de criminalidade e corrupção e um IRS progressivo chegando a um máximo de 30%. Um investimento correto com vista à criação de riqueza. Em suma, um país feliz. E, se no reino da Dinamarca é possível e todos os estudos e estatísticas assim o indicam, um dia, tudo isto pode estar ao nosso alcance… para não continuarmos a ver o Lesoto, a Costa do Marfim, a Etiópia ou a Guiné-Bissau a ter um PIB per capita muito superior ao nosso.
A história de Solimão vem de longe. Se deixarmos a camarilha comandada pelo grande diabo a gerir tudo isto é certo e sabido que a terra ideal, tão bem descrita na cantiga de Mignon, jamais será alcançada. A aposta tem de ser diferente e está seguramente nas nossas mãos.
Imaginemos, tal como Lennon, um mundo sem barreiras, interesses, fronteiras ou religiões, sem racistas, xenófobos, homofóbicos num sonho de difícil concretização. Sim, imaginemos… Os sonhos, afinal, são isso mesmo, sonhos, valem o que valem, mas nunca deixam de ser sonhos.
Acordamos de seguida e aí está a tal realidade deste pequeno/grande mundo que cria estádios, conceitos, rótulos, juízos de valor que atentam, tantas vezes, contra o ser onde são empregues todas as convenções deterministas e até fatalistas criando autênticos escarros que o melhor dos regimes permite parir.
2022 pode se o ano da tal viragem. Da aposta da pretensa estabilidade política para os próximos quatro anos.
A ser assim, teremos de assumir uma postura responsável verificando, com olhos de quem quer ver, as apostas dos mais diferentes escaparates políticos. Se por um lado existem tiques e repeniques de algum autoritarismo, por outro damos conta de uma paz oportunisticamente podre num ataque burguês aos mais vulneráveis percebendo-se qua a história açoriana pode repetir-se e, tal qual diz o povo, “cesteiro que faz um cesto faz um cento”.
Muitos destes lobos que estarão presentes ao sufrágio de 30 de janeiro já vestem a roupagem de cordeiro e, dada a existência de algum trigo e muito joio, é certo e seguro que vamos estar permanentemente atentos, despertos e interessados, pois, como muito bem sabemos, o futuro é já amanhã.
Para si, caríssimo leitor, votos sinceros de um ótimo 2022.

Sobre o autor

Albino Bárbara

Leave a Reply

Financiamento