Sociedade

Saiba o que muda com a terceira fase do desconfinamento

Escrito por Luís Martins

A terceira fase do desconfinamento arranca segunda-feira e afeta restaurantes, centros comerciais, ginásios, ATL e afins. O Governo determinou exceções para a Área Metropolitana de Lisboa devido ao facto de ser nesta região que se tem concentrado o maior número de novos casos de Covid-19 em Portugal. O Estado de calamidade mantém-se.

Saiba o que muda:

TELETRABALHO

Teletrabalho desfasado e com equipas em espelho; obrigatório para imunodeprimidos e doentes crónicos, pessoas com deficiência (inferior a 60 por cento), pais com filhos em casa.

 

LOJAS DO CIDADÃO

Funcionam por marcação prévia, uso de máscara é obrigatório.

 

COMÉRCIO E RESTAURAÇÃO

Lojas com área superior a 400 metros quadrados reabrem, tal como lojas e restaurantes inseridos em centros comerciais; fim da lotação máxima de 50 por cento nos restaurantes, mantendo o distanciamento mínimo de 1,5 metros – mas só podem usar todo o espaço se recorrerem a barreiras de acrílico.

Bares e discotecas continuarão fechados. Centros comerciais reabrem a 1 de junho, com exceção dos “shoppings” da Área Metropolitana de Lisboa.

 

EDUCAÇÃO

Reabertura do pré-escolar.

 

CULTURA

Reabertura de Cinemas, teatros, salas de espetáculos e auditórios de acordo com as normas definidas pela DGS.

 

DESPORTO

Reabertura dos ginásios de acordo com as normas definidas pela DGS.

 

PRAIAS

Abertura da época balnear a 6 de junho.

 

ATIVIDADES DE TEMPOS LIVRES

A partir de 15 de junho, reabertura de ATL’s não integrados em estabelecimentos escolares; final do ano letivo – atividades de apoio à família e de ocupação de tempos livres.

 

TURISMO

Turistas não precisam de fazer quarentena quando entrarem em Portugal.

 

REGRAS GERAIS

A partir de 30/31 de maio: cerimónias religiosas – celebrações comunitárias de acordo com regras definidas entre a DGS e as confissões religiosas

A partir de 1 de junho: ajuntamentos limitados a 20 pessoas (mais 10 que na área metropolitana de Lisboa)

 

 

 

 

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta