Maria Afonso

A inutilidade das coisas

Procurávamos a carne da terra e os animais ocultos nos penhascos. O decalque de deus em nós.

A inutilidade das coisas

«Sonha com árvores que nunca viu. Sabe da sua existência pelo nome que lhe dão. Desejos de rituais...

A inutilidade das coisas

«É então que inicio viagem. Levo o meu saco de Primavera onde tudo cabe. Cada leitor pode colocar...

A inutilidade das coisas

«A onda já alastrou pela cidade baixa e eu desejo ir com a maré. Perder-me nas águas. Saber do...

A inutilidade das coisas

«Hoje, se a encontrasse, gostaria de lhe confirmar que “as beiroas são criaturas inteligentes e com...

A inutilidade das coisas

«A nostalgia dos tambores traz à luz os tempos de glória. Éramos imortais e quase anjos...

A inutilidade das coisas

«Resistir é a pauta de uma antiga canção que guardam no sangue. O fogo do outono é que as há-de...

A inutilidade das coisas

«Ficas tu com o horizonte. Sempre te pertenceu. Saberás agora o que fazer com ele.»

A inutilidade das coisas

Hoje os diálogos tinham como tema as doenças e os médicos e que quem precisa deles são os velhos...

A Inutilidade das Coisas

Algum tempo depois de ter nascido o pai aconchegou-a num berço de madeira que ele mesmo construíra...