Sociedade

Portagens mais caras em 2019

Escrito por Luís Martins

Prepare-se para pagar mais um por cento nas tarifas cobradas nas autoestradas como a A23 e A25. As portagens vão aumentar pelo terceiro ano consecutivo devido à subida da taxa de inflação.

Em 2019, as portagens das autoestradas vão aumentar novamente, o que acontece pelo terceiro ano consecutivo. Ao que tudo indica, as tarifas deverão subir perto de 1 por cento em janeiro. É uma má notícia para a Comissão de Utentes da A23, A24 e A25, que acusa o Governo de «falhar» com o interior.
O aumento é calculado anualmente tendo em conta a estimativa da taxa de inflação homóloga, sem habitação, em outubro, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). A fórmula está prevista no decreto-lei nº 294/97 e institui que a variação a praticar em cada ano tem como referência a taxa de inflação homóloga sem habitação no Continente conhecida até dia 15 de novembro, data em que os concessionários devem comunicar ao Governo as suas propostas de preços. Na estimativa rápida do Índice de Preços no Consumidor (IPC) divulgada no último dia de outubro, o INE avançou que a taxa de inflação homóloga, excluindo habitação, no Continente terá sido de 0,98 por cento em outubro, o que deverá ter como consequência a subida, em igual percentagem, dos preços das portagens em 2019. Em 2018 as portagens nas autoestradas aumentaram 1,4 por cento, depois de uma subida de 0,84 por cento em 2017 e de 0,62 por cento em 2016. Os dados definitivos referentes ao IPC do mês de outubro vão ser publicados em 13 de novembro próximo.
Mas o que já se sabe não agradou nada ao porta-voz da Comissão de Utentes da A23, A24 e A25. Para Francisco Almeida, esta subida é «a confirmação de que o Governo não tenciona acabar com as portagens nas autoestradas do interior». «É um atentado contra quem vive nestas regiões e contra as empresas que aqui trabalham porque não há vias alternativas para circular em segurança», denuncia o responsável. Três dias depois ao anúncio da subida das portagens, o secretário de Estado para a Valorização do Interior afirmou que gostaria de ver abolidas as portagens nas zonas do interior mais frágeis economicamente. «No próximo programa de Governo o que gostaria de ver refletido era a abolição das portagens nalgumas zonas do interior, tendo consciência obviamente da contingência orçamental que vivemos», disse João Paulo Catarino, no sábado em Pedrógão Grande, à margem do congresso Agenda Re-Nascer Summity.
Na sua opinião, as autoestradas que servem estes territórios devem ter «obviamente esta redução de custos de contexto, que é brutal, e nalguns casos devem ser abolidas quando tivermos condições para isso». Até lá, Pedro Siza Vieira, ministro Adjunto e da Economia, lembrou no Parlamento, durante o debate na generalidade do Orçamento de Estado para 2019, o que já tinha dito no início deste ano: que os veículos de mercadorias vão ter mais descontos nas antigas vias sem custos para o utilizador. «Vamos reduzir os custos de contexto das empresas que investem no interior e estão mais longe dos mercados», prometeu o governante.

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta