Sociedade

Bombeiros e polícias já não são prioritários devido à escassez de vacinas contra a Covid

Escrito por Luís Martins

A vacinação das forças de segurança e bombeiros vai deixar de liderar as prioridades devido à escassez de vacinas, sendo reforçada a administração a pessoas com 80 ou mais anos e entre os 50 e os 79 anos com doenças crónicas.

Segundo o “Expresso” desta sexta-feira, que cita declarações do novo coordenador da “task force”, Henrique Gouveia e Melo, a escassez de vacinas levou à alteração do plano inicial da vacinação, retardando a vacinação às Forças Armadas e forças de segurança, bombeiros, elementos de órgãos de soberania, como tribunais e o Parlamento, e mesmo médicos que não estejam na linha da frente.

O grosso das vacinas disponíveis será administrado a dois grupos: a pessoas com 80 ou mais anos e a pessoas entre os 50 e os 79 anos com uma das quatro doenças de maior risco para a Covid-19 (cardíaca, coronária, renal e respiratória grave). De acordo com o jornal, a escassez das vacinas e a necessidade de proteger os mais vulneráveis à Covid-19 levaram o novo coordenador do plano de trabalho a redefinir prioridades na vacinação.

o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo adiantou ao semanário que 90 por cento das vacinas disponíveis destinam-se agora a «salvar vidas» e apenas 10 por cento a «ir reforçando a resiliência do Estado em período de pandemia».

Sobre o autor

Luís Martins

Leave a Reply

Financiamento