Região

Centro de interpretação do ciclo da água projetado para Vale de Estrela

Escrito por Pedro Duarte

Um centro de interpretação do ciclo da água vai nascer em Vale de Estrela, junto à nascente do rio Noéme, anunciou o presidente da Câmara da Guarda no Dia Nacional da Água, assinalado no passado dia 1 de outubro.

O projeto surgirá no edifício da central da Montanheira, erigida em 1940 para abastecer a cidade mais alta e que atualmente continua a garantir água à freguesia de Vale de Estrela. O futuro centro de interpretação terá «uma dimensão de educação para o ambiente» e destacará a importância da água, disse Carlos Chaves Monteiro aos jornalistas durante uma visita ao miradouro hidrográfico das Três Bacias dos rios Douro, Tejo e Mondego (situado a 1.014 metros de altitude) e à requalificação do rio Noéme, junto da captação da Montanheira. «É um local histórico, identitário, de referência para a nossa comunidade», considerou o autarca. O projeto será realizado após o investimento de 1,2 milhões de euros já aplicados na limpeza do leito e margens do rio Noéme, onde foram adaptadas técnicas de engenharia ambiental, no âmbito do plano de intervenções urgentes nas áreas afetadas pelos incêndios florestais ocorridos em 2017, com o apoio do Fundo Ambiental.
No entanto, Carlos Chaves Monteiro admitiu que a despoluição do Noéme poderá demorar «um a dois anos» porque é preciso «encontrar soluções para resolver um problema que tem décadas de existência». Presente na visita, a secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, valorizou o projeto ambiental realizado na região da Guarda com o apoio do Fundo Ambiental, que beneficiou 16 municípios e 70 quilómetros de área, e que faz parte de um projeto maior de recuperação da rede hidrográfica a nível nacional.

Sobre o autor

Pedro Duarte

Leave a Reply