Política

PSD mantém confiança política em Cidália Valbom, mas apela ao «diálogo e à contenção verbal»

Escrito por Luís Martins

A concelhia do PSD da Guarda mantém a confiança política em Cidália Valbom e pede «contenção verbal, seriedade e diálogo» para resolver «as divergências» entre a presidente da Assembleia Municipal e o presidente da Câmara. 

Em conferência de imprensa realizada esta quinta-feira, Tiago Gonçalves, líder da secção local dos sociais-democratas, apelou ao «bom senso e à serenidade» dos envolvidos e adiantou que a concelhia vai empenhar-se para que «as divergências que ficaram patentes neste episódio sejam debeladas em nome do regular funcionamento dos órgãos autárquicos». O dirigente acusou o PS de «cinismo político» por manifestar disponibilidade para liderar uma lista à mesa da Assembleia Municipal quando tal lugar não se encontra em aberto. «É lastimável que o PS queira assumir uma função que a população da Guarda claramente não lhe confiou», disse, lembrando que o PSD ocupa 61 dos 87 lugares daquele órgão deliberativo, entre deputados e presidentes de Junta.

Além disso, a substituição da mesa «está fora de questão», tal como a demissão de Cidália Valbom «não está em cima da mesa». Contudo, se tal vier a acontecer, o PSD «saberá encontrar uma solução» no seio do seu grupo parlamentar. Sobre o que se passou no final da semana passada, Tiago Gonçalves considerou que faltou «diálogo e concertação» entre a presidente da AM e o presidente do município. «É preciso que cada um saiba ocupar o seu lugar», acrescentou, escusando-se a dizer quem não cumpriu. 

O social-democrata lançou ainda uma farpa aos socialistas afirmando que o PS «não é um referencial de estabilidade» porque nenhum dos dois vereadores eleitos em 2017 – Eduardo Brito e Pedro Fonseca – está em funções neste momento. «Quanto à Assembleia Municipal, o Partido Socialista vai no seu terceiro coordenador de bancada em três anos depois das demissões de Joaquim Carreira e Agostinho Gonçalves», disse Tiago Gonçalves. Saiba mais na próxima edição de O INTERIOR.

Sobre o autor

Luís Martins

Deixar uma resposta