Política

Listas quase fechadas nas candidaturas à Câmara da Guarda

24
Escrito por Jornal O INTERIOR

Chaves Monteiro deverá apresentar brevemente o seu número dois e vai manter atuais vereadores do PSD

Anunciada a data das eleições autárquicas, agendadas para 26 de setembro, é tempo dos candidatos começarem a fechar as suas listas.

Na Guarda, Carlos Chaves Monteiro garantiu esta segunda-feira que conta com «todos os atuais vereadores do PSD» para os primeiros lugares da lista à Câmara e também com João Prata para se recandidatar à Junta de Freguesia da cidade. Falta saber quem será o(a) escolhido(a) para render Sérgio Costa, que vai concorrer como independente. O presidente do município, que vai liderar a lista pela primeira vez, deverá apresentar brevemente o seu número dois, já que o terceiro lugar estará garantido para Lucília Monteiro. O atual vice-presidente, Victor Amaral, será o quarto elemento da lista, enquanto Cecília Amaro sobe um lugar e concorre na quinta posição – internamente, a reeleição de cinco vereadores pelo PSD já terá sido cenário considerado difícil de alcançar este ano –.

Fechadas estão as negociações com o CDS-PP, que deverá apoiar o independente Sérgio Costa. De resto, esta semana o antigo líder da concelhia social-democrata conseguiu apoios substanciais ao escolher o ex-notário José Relva, antigo dirigente local do PSD como cabeça de lista à Assembleia Municipal e António Júlio Aguiar, um dos seus vice-presidentes na secção social-democrata, para concorrer à Junta de Freguesia da Guarda. Também as listas à Assembleia Municipal já começam a ganhar forma. Chaves Monteiro vai contar com o médico João Correia como número dois, a seguir a Jorge Barreto Xavier. No PS, é certo de Vergílio Bento – que liderou a cisão que contribuiu para a derrota estrondosa de José Igreja em 2013 e encabeçou mesmo uma lista independente, que não foi a votos por erros processuais – será o segundo à Assembleia Municipal, atrás de Ana Mendes Godinho.

À Junta de Freguesia da Guarda voltará a recandidatar-se Fábio Pinto, derrotado em 2017. Os adversários já conhecidos do socialista serão João Prata (PSD) e António Júlio Aguiar (Sérgio Costa). Mas Chaves Monteiro, que inaugurou a sede da candidatura na segunda-feira, na Rua Vasco Borges, junto ao Jardim José de Lemos, no mesmo espaço usado por Álvaro Amaro em 2013 e 2017, tem outras preocupações. A primeira é a decisão do Conselho de Jurisdição Nacional, que vai analisar o pedido de anulação da candidatura à Câmara por não cumprir os estatutos do partido. Outro problema é do foro judicial e prende-se com a abertura da fase de instrução do caso do evento “Guarda Folia”, em que o eurodeputado Álvaro Amaro, o atual presidente do município, Carlos Chaves Monteiro; o vereador da Cultura, Victor Amaral; e duas técnicas superiores, Alexandra Isidro e Carla Morgado, estão acusados dos crimes de prevaricação e fraude na obtenção de subsídio. Cabe ao juiz do Tribunal da Guarda decidir quem vai a julgamento e por que crimes.

PSD e CDS chegam a acordo por coligação na Mêda

PSD e CDS-PP vão concorrer coligados na Mêda às próximas autárquicas. O acordo de coligação foi celebrado esta quinta-feira entre as concelhias dos dois partidos. A candidatura é liderada pelo social-democrata João Mourato.

Em comunicado, os dois partidos adiantam que pretendem apresentar um projeto «congregador e dinamizador» para o concelho. «Sentimos o dever de apresentar uma solução conjunta forte, que seja uma verdadeira alternativa aos anos de (des)governação socialista em que o concelho sucumbiu», acrescentam. PSD e CDS-PP referem ainda que a coligação «é muito mais do que uma aliança entre dois partidos. É acima de tudo, uma união de pessoas e de ideias. Uma dinâmica que faça da Mêda um concelho referência a nível regional e nacional como todos os medenses desejam».

Sobre o autor

Jornal O INTERIOR

Leave a Reply

Financiamento