Paz perpétua

Agora que já entendemos que António Costa ganha sempre, mesmo quando todos os partidos da oposição estão de acordo uns com os outros e em desacordo com o PS, não adianta ocupar este espaço e a paciência dos leitores com análises políticas. A análise política do Portugal contemporâneo é “a resposta do que gosta o Costa”.

Sendo assim, o Observatório de Ornitorrincos vai abandonar os temas políticos e dedicar-se à literatura infantil.

Era uma vez um gato maltês,
Tocava piano, falava francês.
Opiniões, não tinha nem três,
E o Governo fez dele marquês.

Roncava, dormia, comia no prato,
Era um lorde em sentido lato.
Nada fazia, na vida de gato,
Mas era querido no Largo do Rato.

Tinha uma vida pacata e baril,
Era invejado por tantos mil.
Um dia, ao chefe não foi servil
E terminou enfiado num canil.

* O autor escreve de acordo com a antiga ortografia

Sobre o autor

Nuno Amaral Jerónimo

Deixar uma resposta