Corona

Escrito por Diogo Cabrita

A todos os meus amigos que pedem que vá mandando uns bitaites sobre os assuntos do momento, aqui me abro hoje sobre Covid-19.
1- O vírus: é extremamente contagioso – pega-se com facilidade e distribui doença minor por muita gente. 2- Aqueles que são afetados nos pulmões – pneumonia por covid 19 – carecem de suportes técnicos para poderem ultrapassar a crise – os ventiladores. 3- Os ventiladores em Portugal são 4 para cada 100.000 habitantes e não se fabricam aqui. Este foi um ponto de rutura em Itália e foi a razão do investimento chinês em hospitais a toda a pressa. 5- Vamos começar a ter os primeiros doentes ventilados esta semana. 6- Uma crise carece de uma liderança forte, de gente culta e que decide sem emoções, com fundamentos e ciência. Não sei se a temos na ARS, no Ministério, na liderança de instituições. Não tivemos em Pedrógão, não tivemos com as árvores bailarinas da Madeira, não tivemos em Tancos. São os mesmos! 7- Esta doença mata um número assustador de maiores de 70 anos – o teu pai, a tua mãe, a tua avó! Vê se percebes isto, tonto! 8- Os portadores assintomáticos distribuem doença por milhares de pessoas e por isso temos de conter a disseminação. Não é por causa da criancinha com uma dorzinha e uma febrícula que se parte para a guerra. Itália começou tarde demais e vive em “estado de batalha” agora. 9- Um Governo competente antecipa e projeta. Antecipa o pico, prepara os momentos críticos, investe nas formações a tempo. Projeta equipamentos, cria os focos de contingência, estrutura mecanismos de suporte da economia e do colapso das empresas. Antes de acontecer garante as linhas de apoio. A saúde telefónica tem feito lembrar o Siresp de má memória. 10- Portugal vai na próxima semana bater contra uma parede e é preciso verificar os airbags, garantir que não vamos demasiado depressa, colocar capacete se possível. Nos próximos meses não estamos preocupados com os bancos, o corona angolano, a falta de velocidade na justiça, mas vamos ter amigos a falir, amigos a deitar as mãos à cabeça e ruas desertas e gente a fazer filas nos supermercados. Sim, vamos mesmo! O “Ensaio sobre a Cegueira”, de Saramago, o “El Gran Laberinto”, de Fernando Savater, o “2084”, de Boualem Sansal, falam dessas estranhas pobrezas que sobressaem dos homens quando a adversidade os encontra.
11- a escolha do Hospital dos Covões é ilustre. Fecharam enfermarias porque não tinham casa de banho privativas. Retiraram especialidades. Reduziram as equipas de urgência médicas e de enfermagem genericamente. Retiraram auxiliares. Agora já serve? Os covid podem ir todos à mesma sanita? Chama-se 19 para serem camaratas de 19? A realidade é sempre mais surpreendente que a imaginação.

Sobre o autor

Diogo Cabrita

Deixar uma resposta