Cultura

Pedro Mexia veio à BMEL apresentar livro do pai

Img 7515
Escrito por Efigénia Marques

Cronista e crítico literário é filho de João Bigotte Chorão, natural da Guarda e autor do livro “Além da Literatura”

Pedro Mexia, poeta, cronista e crítico literário, esteve na passada quarta-feira na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (BMEL), na Guarda, como convidado do clube de leitura “Guarda-Livros” para falar da obra “Além da Literatura”, da autoria do pai, João Bigotte Chorão (1933-2019).
«“Além da Literatura” foi o último livro que ele publicou em 2014 e venho falar da personalidade literária do meu pai e da sua relação com Portugal e a literatura portuguesa», disse Pedro Mexia a O INTERIOR. O objetivo do clube de leitura da BMEL é que autores ligados à Guarda sejam apresentados por pessoas que os conheceram e conhecem a sua obra, porém este foi «um caso especial e particular, por ser um livro do meu pai e por isso houve nalguns casos uma abordagem mais pessoal e intimista», acrescentou o cronista. Quanto ao facto de a apresentação decorrer na BMEL, Pedro Mexia confessou que teve um «valor especial»: «Há sempre o enraizamento das pessoas, mesmo pessoas que tenham ou não nascido no mesmo sítio e se tenham conhecido ou não no mesmo sítio. Por exemplo, quando cheguei à biblioteca, entre as figuras literárias e culturais da Guarda que estão aqui à entrada, está o Pinharanda Gomes, que era visita de minha casa desde que eu era criança», recordou.
«Mas há também esse lado de que não sou apenas um leitor, como seria se viesse falar do Vergílio Ferreira», sublinhou Pedro Mexia, cuja apresentação de “Além da Literatura” não foi «só o lado literário, mas sim o lado mais pessoal. O meu pai gostava não só dos livros, mas dos seus autores e isso pode parecer uma coisa muito óbvia, mas hoje em dia não é. Devo dizer que é uma grande tentação minha separar o homem da obra e o meu pai, pelo contrário, gostava de os juntar», afirmou ainda Pedro Mexia. Natural da Guarda, João Bigotte Chorão morreu em fevereiro de 2019, tendo sido um dos maiores especialistas na obra de Camilo Castelo Branco. Ficou também conhecido como ensaísta e autor de uma «crítica humanista ou ontológica, parte da obra para o homem, tantas vezes esquecido numa visão apenas formalista da literatura», descreveu a editora Quetzal, quando publicou “Além da Literatura”.
Em 2008 foi distinguido com o Grande Prémio de Literatura Biográfica pela Associação Portuguesa de Escritores pela obra “Diário quase completo”. Uma década depois João Bigotte Chorão publicou, pela Imprensa Nacional, o volume diarístico “Diário 2000-2015”. O projeto “Guarda-Livros” é coordenado por João Barradas, médico, criador e gestor da página de Instagram 2bejay.

 

Carina Fernandes

Sobre o autor

Efigénia Marques

Leave a Reply

Financiamento