Arquivo

Regime transitório de professores com pouco impacto no IPG

Constantino Rei acredita que «a grande maioria» dos cerca de 50 docentes abrangidos vai concluir doutoramento dentro dos prazos

O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) tem quase 50 professores abrangidos pelo regime transitório do pessoal docente do ensino superior, segundo o qual só têm este ano para concluir o doutoramento ou conseguir o estatuto de especialistas para continuarem a dar aulas a partir de 1 de setembro.

Contudo, o efeito desta medida conhecida há seis anos vai ser reduzido no IPG porque «a grande maioria destes docentes vai conseguir concluir o doutoramento dentro dos prazos», admite Constantino Rei. No final do ano passado, o presidente do Instituto deu a conhecer internamente a lista dos profissionais visados, 34 dos quais – cerca de 60 por cento – lecionam na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) e dez na Escola Superior de Educação Comunicação e Desporto (ESECD). A Escola Superior de Saúde tem três docentes nessa situação e a Turismo e Hotelaria (Seia) outros tantos. O responsável desdramatiza a situação e garante que «apenas dois a três professores sairão no final de agosto porque os seus contratos terminam e não se inscreveram no doutoramento, nada tendo feito para garantir o seu posto de trabalho», sublinha Constantino Rei.

O presidente do Politécnico da Guarda acrescenta que, entre agosto e dezembro, vão cessar os contratos de trabalho de «10 a 15 docentes nessa condição, pelo que, a haver dispensas, elas serão graduais. Mesmo assim, acredito que grande parte terminará o seu doutoramento dentro do prazo». Na prática, isso significa que os novos doutores serão imediatamente integrados na carreira como professores adjuntos, «o que é ótimo para eles», afirma Constantino Rei, para quem este regime também é bom porque obriga os docentes a qualificarem-se. Em contrapartida, as transições automáticas implicam um aumento da ordem dos 300 mil euros por ano da massa salarial da instituição. Segundo o responsável, atualmente mais de 50 por cento do corpo docente do Politécnico é doutorado, estimando-se que se chegue aos 60 por cento em 2016. «Temos mais défice de qualificações nas áreas da ESTH, que é a escola mais “nova” do IPG, mas também na Engenharia Topográfica. No resto estamos globalmente bem», afirma Constantino Rei.

Luis Martins 34 dos cerca de 50 professores visados lecionam na ESTG

Sobre o autor

Leave a Reply

Financiamento