Arquivo

Governo mais perto de introduzir portagens na A23 e A25

Comissão de Utentes Contra as Portagens promete «endurecimento da luta» com buzinões e marchas lentas

Está dado o primeiro passo formal para acabar com todas as SCUT. O Governo constituiu, na quinta-feira, as comissões de negociação para a alteração dos contratos celebrados com as concessionárias das quatro que inicialmente escapavam ao pagamento, entre as quais estão a A23 e a A25, geridas pela Scutvias e pela Ascendi. Também na semana passada foi conhecida a decisão de Cavaco Silva de promulgar o diploma sobre os “chips” de matrícula. Para hoje estão reservadas mais decisões: o calendário da introdução de portagens e o regime de isenções deverão ficar definidos em Conselho de Ministros.

O Governo espera ainda conseguir o apoio do PSD neste processo. O despacho que cria aquelas comissões foi publicado em “Diário da República” (DR) e não deixa margem para dúvidas, ao referir-se à «futura introdução de taxas de portagem nas concessões Scut Interior Norte, Beira Interior e Algarve» e ainda Beira Litoral e Alta. No documento, assinado pelos secretários de Estado do Tesouro e Obras Públicas, são nomeadas as equipas que vão renegociar os contratos, lideradas por Francisco Pereira Soares, que têm até ao final do mês para apresentar um relatório. Foi exactamente no dia em que o despacho foi publicado em DR que se soube que o Presidente da República já promulgou o diploma sobre o sistema de identificação electrónica de veículos e o “chip” de matrícula. Segue-se a sua publicação em DR para que seja transformado em lei. O projecto de lei, que determina, entre outras matérias, o fim da obrigatoriedade do “chip”, foi aprovado a 9 de Julho com os votos favoráveis do PS e do PSD e os votos contra dos restantes partidos. O texto final refere que o “chip” de matrícula passa a destinar-se «exclusivamente à cobrança electrónica de portagens», sendo a sua instalação «facultativa» e dependente da «adesão voluntária» do proprietário do veículo. No que respeita ao pagamento, o diploma prevê quatro formas: dispositivo electrónico de matrícula, dispositivo Via Verde, dispositivo temporário e pós-pagamento. A cobrança de portagens deverá avançar primeiro na Costa da Prata, Grande Porto e Norte Litoral – que chegou a estar prevista para 1 de Julho –, estendendo-se depois às restantes quatro auto-estradas sem custos para os utilizadores.

«O Governo e o Presidente da República escolheram o caminho do confronto com as populações», reage o porta-voz da Comissão de Utentes Contra as Portagens na A25, A23 e A24. Francisco Almeida avisa que se segue o «endurecimento da luta e do protesto» e que nos planos da Comissão está a realização de buzinões e marchas lentas. Ainda não estão definidas datas, «mas rapidamente as agendaremos», diz o porta-voz da Comissão. Paralelamente, continuarão a ser recolhidas assinaturas para o abaixo assinado, on-line (www.contraportagens.net) e em acções de rua. Segundo Francisco Almeida, o documento conta actualmente com cerca de sete mil assinaturas, das quais cinco mil na Internet. «As populações do interior do país não vão baixar os braços», assegura. A Comissão entende que, a serem introduzidas portagens nas três vias, o desenvolvimento dos distritos da Guarda, Castelo Branco e Viseu «será adiado». Para Francisco Almeida, as EN’s 16, 2, 18 e 17 «não são verdadeiras alternativas». «Veja-se o que se passou no dia em que houve o grande acidente na A25, em Talhadas [Sever do Vouga]: o trânsito foi desviado para a EN 16, onde se instalou o caos», exemplifica.

Conselho de Ministros define hoje o calendário das portagens nas SCUT

Comentários dos nossos leitores
Virgilio Baptista virgilio.baptista@siemens.com
Comentário:
As portagens na A23 e A25 são um atentado mortífero ao desenvolvimento e progresso do Interior Centro de Portugal. Sou um dos milhares afectados por esta decisão política, que nos empurra para o Litoral! Lutemos pelas nossas causas, os nossos valores! Amemos Portugal!
 
Queixinhas oqueixinhas@gmail.com
Comentário:
Lamentável que os políticos do interior, de todos os quadrantes políticos, não se manifestem contra esta possível introdução de portagens. Isto mostra que todos estão interessados apenas no seu bolso e não defendem a região. A nível do governo, é uma das poucas coisas que fizerem pelo interior e querem agora que paguemos? Assim não! Estes governantes estão a destruir o país. Já que temos que pagar impostos, que fazem com esse dinheiro? Um dos países que tem os impostos mais altos e temos que pagar tudo? Alguém anda a meter grandes quantidades de dinheiro ao “bolso”… Estamos desgraçados com os políticos que temos. Eu não acuso um partido, mas sim todos. Temos que acordar, estes políticos não defendem o país.
 
Manuel Diamantino B Luis manueldiamantino@gmail.com
Comentário:
Não as portagens na a23 porque náo temos via alternativa a essa
 

Governo mais perto de introduzir portagens
        na A23 e A25

Sobre o autor

Leave a Reply