Arquivo

Assembleia Municipal questiona Ana Manso sobre «novo projeto» do Hospital Sousa Martins

Bloco de Esquerda quer que respostas da administradora da ULS sejam analisadas numa reunião extraordinária

A Assembleia Municipal (AM) da Guarda decidiu enviar 16 perguntas a Ana Manso, presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde (ULS), sobre a anunciada mudança de planos na empreitada de requalificação e ampliação do Hospital Sousa Martins. A deliberação resulta de uma moção apresentada pelo Bloco de Esquerda, aprovada por maioria na passada quarta-feira com uma dezena de abstenções, sobretudo na bancada do PSD.

O assunto foi um dos temas dominantes desta sessão e a primeira a falar dele foi Adelaide Campos. A deputada socialista considerou que a empreitada é «uma obra adiada» e criticou a alteração do projeto «em cerca de 90 por cento, o que vai traduzir-se na menorização de toda a intervenção». A antiga diretora clínica do Sousa Martins, que integrou a administração de Fernando Girão, antecessor de Ana Manso, disse ainda que «o que se vê hoje é uma situação confrangedora, pois temos estrutura nova há seis meses e não se sabe quando vai entrar ao serviço», o mesmo acontecendo com os concursos públicos para o equipamento. Lembrando a notícia de O INTERIOR, também Jorge Noutel (BE) pediu esclarecimentos sobre o «novo projeto» e a previsível redução do investimento inicialmente previsto – de 60 para 5,7 milhões de euros – para a segunda fase. Para o deputado, estará em marcha «a evidente desvalorização do Hospital da Guarda e a sua própria exequibilidade».

Nesse sentido, apresentou uma moção com 16 perguntas sobre o que se pretende agora fazer, com que dinheiro e a partir de quando. No documento, o BE exige «respostas escritas» por parte de Ana Manso e a marcação de uma AM extraordinária na volta do correio para analisar a informação fornecida pela administradora da ULS e «tomar posição em nome dos superiores interesses da Guarda», lê-se na missiva. Já o socialista Nuno Almeida considerou que o que se está a passar é «um caso político que requer repúdio e denúncia», acrescentando que a reavaliação da obra suscita «muitas dúvidas». O deputado sublinhou que «nada justifica esta brutal redução do investimento» e perguntou se a decisão é «um mero ato de gestão ou uma decisão da presidente da ULS». Pediu também a Joaquim Valente que lidere «a revolta» contra o que se passa com o projeto. Da mesma bancada, Pedro Guerra falou da necessidade da AM tomar posição contra «qualquer corte nos serviços de saúde do distrito, nomeadamente da maternidade».

Por sua vez, João Correia (PSD) defendeu o atual Conselho de Administração da ULS, de que é assessor, dizendo que pretende «fazer o mesmo gastando menos dinheiro, quando outros o fariam gastando mais». Mas esta não foi a única alusão aos antecessores de Ana Manso, que também responsabilizou por terem optado por uma intervenção e equipamentos onde abundam os «tiques de novo riquismo». O médico garantiu mesmo que este CA «é responsável quando faz as contas e reavalia o projeto», mas também quando «tenta pagar dívidas que outros deixaram» para finalizar dizendo esperar que o novo pavilhão abra antes da próxima AM, no final de setembro. Sobre esta matéria, Joaquim Valente avisou que o projeto «não pode cair», pois «50 milhões de euros não são nada no Orçamento de Estado». Contudo, o presidente do município recusou liderar a contestação «enquanto o ministro não me disser que o projeto do Hospital Sousa Martins foi castrado».

Luis Martins Requalificação do hospital da Guarda foi tema central da última Assembleia Municipal

Assembleia Municipal questiona Ana Manso
        sobre «novo projeto» do Hospital Sousa Martins

Sobre o autor

Leave a Reply